pousada.jpglobato1.jpg

Mas será?
A verdade é que a esposa legítima do Visconde de Tremembé José Francisco Monteiro é Maria Belmira França, que não teve filhos. O Visconde teve outras mulheres, uma delas, a professora Anacleta Augusto do Amor Divino, a única que lhe deu 2 filhos, entre eles, Olímpia Augusta Lobato, a mãe de José Bento Monteiro Lobato. Será que Olímpia morava na Chácara do Visconde, naquela casa, junto com Maria Belmira, e ali teve 3 filhos? Entre eles, o José Bento Monteiro Lobato? Ou o Visconde ofereceu a Fazenda do Buquira à filha com a família, já que a fazenda ficava bem distante da Chácara, longe dos olhos da sociedade tradicional e conservadora? Que Monteiro Lobato nasceu em Taubaté isso ninguém contesta, pois ele mesmo afirmava.

Especial Monteiro Lobato

Onde nasceu Monteiro Lobato?

No dia 18 de abril de 2013, se Monteiro Lobato estivesse vivo completaria 131 anos de idade. Ele nasceu em 1882 e morreu em 1948, aos 66 anos. Dizem que ele nasceu na Chácara do Visconde de Tremembé, em Taubaté, onde hoje é o Museu Histórico Folclórico e Pedagógico Monteiro Lobato, intitulado “O Sítio do Picapau Amarelo”. Avedis, funcionário do Museu, disse que sim, que Monteiro Lobato nasceu naquele casarão “simples com 12 cômodos grandes” como descreve o site do museu.

E vamos lembrar aqui que no ano de 1882, a Fazenda Buquira pertencia à cidade de Taubaté!
A atual proprietária da Fazenda Buquira, que hoje pertence à cidade de Monteiro Lobato, é Maria Lucia Xavier Ribeiro. Ela está à procura do registro de nascimento ou de casamento do escritor, mas o que conseguiu até o momento foi uma declaração por escrito da filha de José Bento, Marta, atestando que o pai nasceu em Taubaté, apenas isso. O desaparecimento do documento faz Maria Lucia acreditar que pode haver no documento o nome da Fazenda Buquira como local de nascimento do escritor. Lembrando que Maria Lúcia questionou sobre a certidão com a escritora Marisa Lajolo, uma das maiores especialistas da obra do escritor. Mas ela também não teve nenhuma explicação. Por que tanto mistério?

Onde está o verdadeiro Sítio do Picapau Amarelo?

Muitos hoje em dia dizem que o verdadeiro sítio fica no Rio de Janeiro, pois foi lá no “Projac” da Rede Globo que foram gravados os episódios do Programa Sítio do Picapau Amarelo. (Que ironia!)
Taubateanos dizem que o verdadeiro sítio é a Chácara do Visconde em Taubaté.
E Maria Lucia acredita que o Sítio verdadeiro é a Fazenda Buquira.
Há relatos de que desde menino, José Bento desenhava a Fazenda do Buquira, cujo casarão foi construído em 1870. Ele desenhava a Fazenda porque ia visitar ou porque morava lá?
Aos 12 anos quando foi reprovado no exame para o curso preparatório, hoje Ensino Médio, recebeu um castigo: voltar para Taubaté, sendo obrigado a conviver, cheio de rancor, com a “Visconda”, como ele denominava a mulher do avô. Parece que ele não gostava tanto daquela chácara em Taubaté para relatar tantas maravilhas do Sítio do Picapau Amarelo.
Quando o Visconde de Tremembé faleceu, Judith, a irmã de José Bento herdou a Chácara do Visconde em Taubaté, e inclusive a vendeu em seguida. Será que Judith queria se livrar logo da propriedade? E o que o escritor herdou? Ele herdou a Fazenda Buquira. E para lá se foi, deixando a profissão de promotor para ser fazendeiro. E lá nasceram dois dos filhos dele com Maria Pureza da Natividade, a Purezinha. Eles se casaram em 1908. Em 1909 nasceu Marta. Em 1910 nasceu Edgar. Em 1911, foi morar na fazenda e lá nasceram Guilherme e Ruth.
Maria Lucia e todos que visitam a fazenda se fascinam quando comparam os escritos do autor do Sítio do Picapau Amarelo. “Só aqui é o fundo de um grotão, cercado de montanhas, apontando seus picos para o céu. Só no fundo do casarão desta fazenda é que há um riacho de águas limpas e transparentes, onde nadam peixinhos de olhos arregalados. Só aqui tem um pomar com mangueiras e jabuticabeiras centenárias rodeadas por laranjeiras, cabeludinhas, pitangueiras e muito mais!”, conta Maria Lucia. Tudo isso relata o escritor em sua obra. Na chácara do Visconde tem tudo isso?
“Temos um lindo casarão digno do neto do Visconde, com 19 cômodos e mais de 60 portas e janelas, além da escadaria na porta principal. Tudo original, igualzinho quando Monteiro Lobato deixou”.
É ali na Fazenda Buquira que Monteiro Lobato escreveu a obra que o fez famoso “Urupês”. E ali escreveu para o amigo Godofredo Rangel que estava pensando em escrever para as crianças, quem sabe a Fazenda Buquira, onde passou a infância, o inspirou?
Quando se mudou com Purezinha e filhos para a Fazenda, por lá ficou durante 7 anos e depois se mudou para São Paulo.
Para Maria Lucia, Taubaté inventou um castelo de fantasias e conta como se tudo fosse verdade.

Há quem diz...

Há quem diz que os antigos moradores do Buquira, hoje Monteiro Lobato, diziam que Monteiro Lobato não nasceu nem na Chácara do Visconde nem na Fazenda Buquira. Lobato era neto bastardo do Visconde e não foi reconhecido pelo avô quando nasceu, somente um tempo depois. Porem há quem diz que o Visconde sabia da gravidez da filha e por isso a mandou para a Fazenda Buquira, mais distante do falatório do povo da sociedade de Taubaté.
O Jornal Serras da Mantiqueira visitou o Museu Histórico Folclórico e Pedagógico Monteiro Lobato, antiga propriedade do visconde de Tremembé, em Taubaté, no dia 4 de abril de 2010. Os repórteres encontraram uma casa antiga e simples, de pé direito baixo, piso assoalho rústico, sem objetos do escritor. Alguns painéis contam a vida dele, uma biblioteca, brinquedos para as crianças e a administração. Os personagens Emília, Pedrinho e Narizinho estavam lá e disseram saber da história do escritor. Eles afirmaram que Monteiro Lobato nasceu ali naquela casa. Foi indagado: Será que o neto bastardo nasceu na casa onde a viscondessa também morava? E será que Visconde e Viscondessa moravam numa casa tão simples? Emília respondeu que eles tinham outra casa mais chique onde moravam e que ali funcionava a Casa da Finança onde Visconde passava o maior tempo do dia. Foi indagado a respeito do Sítio do Picapau Amarelo descrito pelo autor. Pedrinho prontamente respondeu que era ali no museu. Foi perguntado onde está o riacho que corta a fazenda? Emilia respondeu que os antigos diziam que ali havia um riacho que secou, mas disse também que o Sítio criado por Lobato estava na imaginação dele. Com certeza descreveu características dali e também do sítio do Buquira onde morou. O jornal então questionou a coordenadora do Museu, Cristina Lopes, a respeito de documentos do escritor. Ela disse que tinha muitos documentos, mas que não era possível apresentar naquele momento. Pediu para que o jornal voltasse outro dia. O Jornal Serras da Mantiqueira informou que vai voltar.

O Sítio do Picapau amarelo em Monteiro Lobato

O Sítio do Picapau Amarelo da cidade de Monteiro Lobato, antiga Fazenda do Buquira, na história, ninguém contesta que esta fazenda não tenha pertencido ao escritor. Com o falecimento do avô, o Visconde de Tremembé, em1911, Lobato herdou a fazenda e para lá se mudou com a esposa Purezinha e filhos.
José Bento Monteiro Lobato vendeu a fazenda para negociantes em 1917 para se dedicar à carreira literária em São Paulo. No inverno daquele ano, cansado de conviver com as queimadas que os caboclos faziam na região, escreveu uma carta ao Jornal O Estado de São Paulo intitulado “Velha Praga” criticando os caboclos, dando o nome de Jeca Tatu ao caipira preguiçoso, diferente dos caipiras e índios dos romances da época. A carta causou enorme polêmica em todo o país, pois ele generalizou os caipiras do país, colocando o personagem como símbolo do atraso e miséria do campo na época. E graças aos caboclos, Lobato pode definir sua carreira literária, pois foi incentivado a escrever outras cartas sobre o assunto até surgir o artigo “Urupês”, que logo se tornou livro.
A Fazenda do Buquira, então, ponto de partida para a fama do escritor, foi vendida para o senhor Joaquim Xavier Ribeiro que fez restaurações sem perder o estado original. Quando ficou doente, Joaquim ofereceu de herança para os filhos. Sr. João Xavier Ribeiro, o filho que tinha maior apreço pela história do escritor e pela literatura culta, ficou com a casa, fazendo outra restauração no que a casa precisava. Em 1992, com o falecimento de João, a filha Maria Lucia Xavier Ribeiro herdou a fazenda, que está até hoje sob seus cuidados.
Hoje é Maria Lucia quem tem a responsabilidade com a fazenda e tudo que ela significa para a história da literatura brasileira. Desta vez, Maria Lucia fez reformas no telhado. A data de construção do casarão é de 1870.
O Sítio do Picapau Amarelo está aberto de segunda-feira a segunda-feira, das 9h às 17h para visitantes de todas as idades. “Para todas as pessoas que se interessam por cultura e desejam que por meio dela nosso País possa passar por grandes mudanças, visitem nosso espaço.”
“Pessoas voltadas para os livros são pessoas com bom vocabulário, não aceitam informações ilegítimas, são mais espertas, mais conscientes, formam opinião, e com certeza saberão tomar melhores decisões na vida.”
“Quem visita nosso sítio volta à infância, viaja nos livros de Lobato, viaja na imaginação,” concluiu Maria Lucia.

 

Frases de Monteiro Lobato

 

- "De escrever para marmanjos já estou enjoado. Bichos sem graça. Mas para crianças um livro é todo um mundo."

- "É errado pensar que é a ciência que mata uma religião. Só pode com ela outra religião."

 

- "O livro é uma mercadoria como qualquer outra; não há diferença entre o livro e um artigo de alimentação. (...) Se o livro não vende é porque ele não presta".

- "Tudo tem origem nos sonhos. Primeiro sonhamos, depois fazemos."

 

Pousada Aconchego do Caboclo

 

"Sua casa em nossa pousada"

 

Tel. (12) 3979-4212 /9 9742-4265